Novas literacias

Palmela promove debate sobre Web 2.0

À atenção dos PB da margem sul`

Amplify’d from www.i-gov.org
Palmela promove debate sobre Web 2.0

Data: 2010-10-11

A Câmara Municipal de Palmela vai organizar, em parceria com o Grupo de Bibliotecas Escolares do Concelho de Palmela, uma acção de formação sobre o tema «novos públicos e serviços para as Bibliotecas do Século XXI – A revolução Web 2.0».

A iniciativa destina-se à comunidade educativa local e visa ser um debate sobre a forma como as bibliotecas devem repensar os serviços que prestam aos diferentes públicos, com base nas novas tecnologias. Durante a acção de formação vão ser apresentados diversos exemplos de ferramentas da Web 2.0 e como estas podem ajudar a melhorar o serviço destas instituições.

Read more at www.i-gov.org

 

Novas literacias

Bibliotecas cheias de fantasmas

«Um livro de amor aos livros».
Indispensável para quem gosta de livros e de bibliotecas.

Amplify’d from quetzal.blogs.sapo.pt

Tem medo de morrer durante o sono esmagado pela sua biblioteca? A acumulação de livros coloca a existência da sua família em risco? Arruma os livros por tema, língua, autor, data de edição, ou formato, ou segundo um critério que só você conhece? Poderemos pôr lado a lado na estante dois autores irremediavelmente desavindos? São muitas as questões que envolvem esta espécie em vias de extinção: os bibliófilos que além, da paixão pela posse de livros, tâm a obsessão pela leitura.

As bibliotecas são seres vivos à imagem da nossa complexidade interior, e compõem um labirinto do qual poderemos não conseguir sair. Na verdade, os milhares de páginas que ocupam as nossas estantes estão povoadas de fantasmas que, uma vez encontrados, nunca nos largarão.

Um livro para quem gosta de livros. Para bibliotecários. Para livreiros. Leitores fanáticos que perseguem livros quando são perseguidos pela fome de ler. Para devoradores de livros que nunca desistem. Para todos os que acham que os fantasmas se escondem nas bibliotecas.

Bibliotecas Cheias de Fantasmas, de Jacques Bonnet | tradução de José Mário Silva