Bibliotecas · Leitura · Livros

10 livros nos quais as bibliotecas são protagonistas

Na data em que se assinala o Dia Internacional da Biblioteca Escolar, deixamos aqui dez livros que têm as bibliotecas como protagonistas, muitos deles autênticas obras-primas da literatura mundial.

A Biblioteca à Noite

de Alberto Manguel

A partir da sua mítica biblioteca pessoal, Alberto Manguel, um dos mais conceituados bibliófilos do mundo, conta-nos tudo o que sabe sobre a história, o fascínio e os enigmas das bibliotecas. Ao construir a sua biblioteca com mais de 40 mil livros num antigo presbitério em França, Alberto Manguel debateu-se com as mesmas questões de um qualquer bibliotecário caseiro: é melhor dividir por línguas? A ordem alfabética será a mais prática? Os géneros não deviam estar agrupados?


O Nome da Rosa

de Umberto Eco

A ação desta obra-prima de Eco decorre num mosteiro beneditino, na Itália medieval, onde Guilherme é chamado para investigar a misteriosa morte de um dos monges, Adelmo de Otranto. No entanto, a morte de Adelmo é apenas a primeira de uma sequência de sete mortes, que ocorrem em sete dias consecutivos e, todos os acontecimentos parecem estar ligados a um dos lugares mais misteriosos do mosteiro, a biblioteca, uma estrutura labiríntica distribuída por 56 divisões, cada uma associada a uma letra que, por sua vez, corresponde a uma região geográfica.


A Biblioteca

de Zoran Živkovic

«Segundo parecia, sempre que abria aquele livro estava perante um novo romance, inédito e genial. Comecei a abri-lo e fechá-lo rapidamente. Enfeitiçado, observava os títulos a substituírem-se uns aos outros. De repente, parei a meio de um movimento. O que acontecia com uma obra depois de eu fechar o livro? Com a minha precipitação infantil tinha perdido para sempre várias obras-primas em potência da literatura universal.» Esta antologia do sérvio Zoran Živkovic é composta por seis breves narrativas em que as bibliotecas são protagonistas, desde uma biblioteca virtual que tem todas as respostas, a uma que serve de castigo eterno e a uma tão requintada que não aceita edições de bolso.


Ficções

Jorge Luis Borges

Quando se pensa em bibliotecas na literatura, uma das primeiras que nos ocorre será inevitavelmente a de Babel, uma biblioteca quase infinita, constituída por livros que apresentam todas as combinações possíveis de letras. «A Biblioteca de Babel» é apenas um dos contos de Ficções, um dos livros mais representativos da obra borgesiana e exemplo da grandeza e do génio de Jorge Luis Borges.


Bibliotecas Cheias de Fantasmas

Jacques Bonnet

Tem medo de morrer durante o sono esmagado pela sua biblioteca? A acumulação de livros coloca a existência da sua família em risco? Arruma os livros por tema, língua, autor, data de edição, ou formato, ou segundo um critério que só você conhece? Poderemos pôr lado a lado na estante dois autores irremediavelmente desavindos?

Em jeito de confissão,  Jacques Bonnet descreve os seus peculiares hábitos de bibliófilo, a ordem da sua imponente biblioteca e a impulsão que o levou a angariar mais de 40 mil livros. Um desabafo que é também uma homenagem ao poder da palavra escrita.


Longe da Terra

Rebecca Makkai

Lucy Hall esconde um coração inquieto sob uma aparência tranquila. O seu maior desejo é de liberdade. A sua maior paixão é a literatura. A decisão de aliar ambos leva-a a aceitar um emprego na minúscula biblioteca de uma cidade perdida no interior dos Estados Unidos. Mas o anonimato bibliófilo de Lucy é posto em causa no dia em que encontra uma criança furtivamente acampada na biblioteca.


A Bibliotecária de Auschwitz

Antonio G. Iturbe

Num lugar onde os livros são proibidos, a jovem Dita esconde debaixo do vestido os frágeis volumes da biblioteca pública mais pequena, recôndita e clandestina que jamais existiu. No meio do horror, dá-nos uma maravilhosa lição de coragem: não se rende e nunca perde a vontade de viver nem de ler porque «abrir um livro é como entrar para um comboio que nos leva de férias».


A Biblioteca dos Livros Proibidos

de Tom Pugh

Janeiro de 1562. A Europa é o epicentro de uma verdadeira luta entre a luz e as trevas. Em Moscovo, Matthew Longstaff tenta cumprir a missão que lhe foi confiada: roubar um livro da biblioteca privada de Ivan, o Terrível. Longstaff trabalha para os Otiosi, um grupo clandestino de livres-pensadores determinado a manter acesa a chama do livre-pensamento que começa a expandir-se por toda a Europa. Também a trabalhar para os Otiosi encontra-se o médico e aventureiro Gaetan Durant, encarregado de obter um palimpsesto raro.


Os Homens que Salvavam Livros

de David E. Fishman

Esta é a história verdadeira e quase inacreditável de um grupo de poetas e intelectuais residentes no gueto de Vilna – a Jerusalém da Lituânia – que arriscaram a vida para resgatarem milhares de livros e manuscritos apreendidos por nazis e soviéticos.


A Biblioteca da Morte

de Glenn Cooper

A ação decorrer em três épocas, ano de 777, pós-Segunda Guerra Mundial e nos nossos dias. Tudo começa quando um assassino em série inicia uma série de mortes. Nada une as vítimas a não ser um postal que todas receberam onde são informadas do dia e da hora em que vão morrer. É designado para o caso um agente lendário do FBI com um passado conturbado, um problema com bebida e nada a perder. Acaba por descobrir-se que o segredo para tão estranho comportamento está encerrado numa biblioteca de um convento que originou uma série de mortes em 777.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s