Novas literacias

O extraordinário crescimento da Internet nos últimos 10 anos

A Ásia reforça o seu domínio. Brasil entre no top 5 com um crescimento extraordinário: de 5 milhões para mais de 75 milhões. A China passa de 4.º lugar para primeiro com 420 milhões de utilizadores da Internet.

Amplify’d from royal.pingdom.com

The incredible growth of the Internet since 2000

Posted in Main on October 22nd, 2010 by Pingdom

The worldIt doesn’t feel like 2000 was all that long ago, does it? But on the Internet, a decade is a long time. Ten years ago we were in the era of the dot-com boom (and bust), the Web was strictly 1.0, and Google was just a baby.

Since then people have welled onto the Internet. You don’t actually realize how many more people are on the Internet now until you start comparing numbers. This article is an in-depth study of how the number of Internet users has grown in the past decade.

We’ll start with the whole world, then world regions, then break it down even further into countries. As you’ll see, a lot has happened.

Worldwide Internet users, 2000 and 2010

First off, the one thing you probably wanted to know right away. Here is how much the Internet has grown since the year 2000.

Internet users worldwide in 2000 and 2010

There were only 361 million Internet users in 2000, in the entire world. For perspective, that’s barely two-thirds of the size of Facebook today.

The chart really says it all. There are more than five times as many Internet users now as there were in 2000. And as has been noted elsewhere, the number of Internet users in the world is now close to passing two billion and may do so before the end of this year.

The Internet hasn’t just become larger, it’s also become more spread out, more global.

  • In 2000, the top 10 countries accounted for 73% of all Internet users.
  • In 2010, that number has decreased to 60%.

This becomes evident when viewing the distribution of Internet users for the top 50 countries in 2000 and in 2010. Note how much “thicker” the tail of the 2010 graph is.

Distribution of Internet users in the top 50 Internet countries in 2000 and 2010

Thanks to this growth, there are now many more countries with a significant presence on the Internet. Here’s another way to see how much things have changed:

Internet users by world region, 2000 and 2010

Now that we’ve established that the number of Internet users is more than five times as large as it was in 2000, how has that growth been distributed through the different regions of the world?

Internet users by region in 2000 and 2010

Back in 2000, Asia, North America and Europe were almost on an even footing in terms of Internet users. Now in 2010, the picture is a very different one. Asia has pulled away as the single largest region, followed by Europe, then by North America, and a significant distance exists between the three.

It’s also highly notable how the number of Internet users in Africa has increased. In 2000, the entire continent of Africa had just 4.5 million Internet users. In 2010 that has grown to more than 100 million.

Read more at royal.pingdom.com

 

Eventos · Seminários/Conferências

Comemorações do bicentenário do nascimento de Frédéric Chopin em Cascais


No ciclo «Com Chopin e Paderewski» comemora-se o bicentenário do nascimento de Frédéric Chopin (1810-49) e os 150 anos do nascimento de Ignacy Jan Paderewski (1860-1941), duas figuras maiores da História da Música ocidental cuja actividade se cruzou de forma complementar, embora em tempos históricos diferentes. Ambos de origem polaca e virtuosos do piano, Frédéric Chopin e Ignacy Jan Paderewski investiram sobretudo na criação para este instrumento, influenciando de forma definitiva, embora distinta, o reportório, a didáctica, as premissas e a qualificação interpretativa do idioma pianístico. O alcance artístico dos respectivos legados integra-se no complexo quadro cultural europeu que atinge singularidades trágicas na conturbada história da nação polaca durante os séculos XIX e XX. Ao longo de um conjunto de eventos que, sob o signo da música, irradia do Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria apresenta-se, em parceria com a Embaixada da Polónia, um ciclo de concertos, conferências, conversas com escritores e exposições que terão lugar em vários equipamentos culturais do concelho, nomeadamente o Centro Cultural de Cascais, o Espaço Memória dos Exílios, a Casa de Santa Maria, o Museu-Biblioteca Condes de Castro Guimarães e as três bibliotecas municipais. Pelo seu significado histórico e simbólico acrescido, será lançado um postal alusivo à passagem de Ignacy Jan Paderewski pelo Estoril, em 1940, na sequência da Segunda Guerra Mundial, a caminho do exílio nos Estados Unidos da América.

Consultar aqui o programa.

Novas literacias

Novas bibliotecas que não são bibliotecas

Sistema tecnológico que substitui pessoas que emprestam e arrumam livros. Mas não lhe chamem biblioteca…

Amplify’d from www.wallstreetjournal.com

New Library Technologies Dispense With Librarians

By CONOR DOUGHERTY

HUGO, Minn.—In this suburb of St. Paul, the new library branch has no librarians, no card catalog and no comfortable chairs in which to curl up and read.

Instead, the Library Express is a stack of metal lockers outside city hall. When patrons want a book or DVD, they order it online and pick it up from a digitally locked, glove-compartment- sized cubby a few days later. It’s a library as conceived by the Amazon.com generation.

LIBRARY1

Faced with layoffs and budget cuts, or simply looking for ways to expand their reach, libraries around the country are replacing traditional, full-service institutions with devices and approaches that may be redefining what it means to have a library.

A library worker shows how to check out books from a digitally locked cubby, in Hugo, Minn.

Later this year Mesa, Ariz., plans to open a new “express” library in a strip-mall, open three days a week, with outdoor kiosks to dispense books and DVDs at all hours of the day. Palm Harbor, Fla., meanwhile, has offset the impact of reduced hours by installing glass-front vending machines that dispense DVDs and popular books.

The wave of innovation is aided by companies that have created new machines designed to help libraries save on labor. For instance, Evanced Solutions, an Indianapolis company that makes library software, this month is starting test trials of a new vending machine it plans to start selling early next year.

“It’s real, and the book lockers are great,” said Audra Caplan, president of the Public Library Association. “Many of us are having to reduce hours as government budgets get cut, and this enables people to get to us after hours.”

Some library directors worry that such machines are the first step toward a future in which the physical library—along with its reference staffs and children’s programs—fades from existence. James Lund, director of the Red Wing Public Library in Red Wing, Minn., recently wrote skeptically about the “vending library” in Library Journal, a trade publication.

“The basis of the vending machine is to reduce the library to a public-book locker,” Mr. Lund said in an interview. “Our real mission is public education and public education can’t be done from a vending machine. It takes educators, it takes people, it takes interaction.”

Public libraries are an American creation. The first was introduced by Benjamin Franklin, who created a co-operative library funded by people who used it. The first tax-supported library was founded in Peterborough, N.H., in 1833, according to Larry Nix, a retired librarian and library historian. Today there are about 16,700 public library buildings in the country.

LIBRARY2

A skeptic of the approach, James Lund, of the Red Wing, Minn. public library: ‘We are not a public-book locker.’

Robo-libraries are still a relatively rare sight. Public Information Kiosk Inc., a company in Germantown, Md. that sells kiosks and vending machines to libraries, has had 25 orders for a book-and-DVD-dispensing machine that the company introduced last year. Fred Goodman, the company’s chief executive, estimated that, overall, there are no more than a few dozen vending machines now in operation. Still, he expects to sell at least twice as many units in 2011.

Hugo is a town of 13,700 people on the northern fringes of the Minneapolis-St. Paul metropolitan area that has seen its population double in the last decade. But surrounding Washington County is struggling to build the infrastructure to support the newcomers: Over the past year, the county’s nine-branch library system has cut the equivalent of two full-time workers to trim costs.

And yet, the system is popular: Visits last year rose 10% compared to 2007.

The combination of greater demand and leaner resources is visible in the wait list for some popular books. The system has 32 copies of “Freedom,” the new Jonathan Franzen novel set in nearby St. Paul, but 321 people on the waiting list—a 10 to 1 ratio. In flusher times, the wait-list ratio was usually closer to 5 to 1 for popular titles.

The 20 lockers of Library Express won’t solve that problem, but they have made the library more convenient. The county is adding 20 more lockers next month.

Melody Baker, 47, recently used the lockers to check out the best seller “Eat, Pray, Love,”—”I had to see what the fuss was about,” she said.

The library’s main branch is five miles from her house, but Ms. Baker, who is a personal care attendant for an autistic child, says it’s hard to get there during business hours when the library is open. “It’s difficult for me to get up there,” she said of the library’s main branch. “This makes it much easier to get library material.”

Read more at www.wallstreetjournal.com

 

recursos

KidBlog – Blogue na sala de aula

Uma ferramenta para criar, de forma simples, rápida e segura, blogues para os alunos.

Amplify’d from kidblog.org
Kidblog.org

Kidblog.org is designed for elementary and middle school teachers who want to provide each student with their own, unique blog.

Kidblog’s simple, yet powerful tools allow students to publish posts and participate in discussions within a secure classroom blogging community. Teachers maintain complete control over student blogs.

Set up your class with no student email addresses.

Provide your students with an authentic, engaging, and interactive learning experience with Kidblog.
  Learn more…

Read more at kidblog.org

 

Ebooks

O futuro do livro – mais um episódio

Artigo de Isabel Coutinho no Público e no blogue Ciberescritas

Amplify’d from www.ciberescritas.com

Está o livro morto?

Não há volta a dar: o futuro é digital. Editores e bibliotecários estão a viver num limbo, entre o passado analógico e o futuro electrónico. E como ainda ninguém resolveu o problema da preservação dos textos em formato digital, há riscos. Como será daqui a 20 anos?
s autores e, agora, a morte das bibliotecas: então eu não acredito na mor
morte. A verdade é essa!”, diz com o seu apurado sentido de humor o historiador

“Já tivemos a morte do livro, a morte dos autores e, agora, a morte das bibliotecas: então eu não acredito na morte. A verdade é essa!”, diz com o seu apurado sentido de humor o historiador norte-americano Robert Darnton, director da Biblioteca da Universidade de Harvard desde 2007.

Na última edição da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), no Brasil, o livro e o seu futuro estiveram em destaque. Além de Robert Darnton, discutiram este assunto o historiador Peter Burke e John Makinson, o CEO do grupo editorial Penguin. “Professor Darnton, o livro tal qual o conhecemos hoje é um objecto em extinção?”, pergunta a jornalista e escritora brasileira Cristiane Costa. “Não é a primeira vez que me fazem essa pergunta…”, responde o autor de “The Case for Books: Past, Present and Future” (com tradução na editora brasileira Companhia das Letras, “A Questão dos Livros: Passado, Presente e Futuro”).

Este historiador, especialista na história do livro, tem coleccionado estatísticas. Sabe que cada ano são publicados mais livros impressos do que no ano anterior (há uma excepção: 2009, ano desastroso em todo o lado). “Mais um milhão de novos livros serão publicados este ano em todo o mundo. É absurdo declarar que o livro está morto! Se olharmos para a história do livro e da comunicação, uma das lições a tirar é que um ‘media’ não substitui os outros”, diz. A rádio não matou os jornais, a televisão não matou a rádio, o cinema ainda continua forte apesar de termos a Internet. Claro que é importante reforçar que o futuro será digital, acredita, mas isso não significa que o livro impresso esteja morto. Acha que vamos passar por um período de transição e que teremos que inventar novas formas em que o livro digital e o livro analógico se completam. Para Robert Darnton, esse vai ser o futuro dos próximos 20 anos: “Depois disso, quem sabe?”

“A pergunta costuma ser seguida da questão: ‘Está o livro morto?’ Isso lembra-me sempre um dos meus grafitos preferidos na casa de banho dos homens na Biblioteca da Universidade de Princeton. Alguém escreveu na parede: ‘Deus está morto’, assinado Nietzsche. E alguém escreveu a seguir: ‘Nietzsche está morto’, assinado Deus. Não penso que o livro esteja morto. Foi declarado morto tantas vezes que só pode estar vivo.”

Houve outra pergunta que foi insistentemente feita ao director da Biblioteca Universitária de Harvard – que esteve envolvido durante anos na negociação com o Google sobre o projecto de digitalização do acervo da biblioteca – desde que ele chegou ao Brasil. A académica Lilia Schwarcz, que moderou um dos debates, voltou a fazê-la. “Toda a gente me pergunta se eu uso um Kindle!”, exclama o historiador que fica embaraçado porque não lê livros em máquinas. “Provavelmente devia fazê-lo, não tenho nada contra. Mas adoro papel e livros antigos. Sinto-me confortável. Gosto de andar para a frente e para trás e acho que o códex é uma das melhores invenções de todos os tempos.”

Robert Darnton não lê livros no Kindle nem no iPad, mas respeita quem os lê. Acredita que as máquinas que servem para ler livros vão melhorar e que todos vamos usá-las para certos propósitos. “Apesar de eu estar ligado ao livro impresso, só posso dizer que o futuro é digital”, afirma.

Por sua vez, o historiador Peter Burke, professor emérito da Universidade de Cambridge especialista em Idade Moderna europeia, está “semioptimista ou semipessimista” quanto ao futuro do livro impresso e digital. Não é um verdadeiro pessimista porque não acredita na morte do livro impresso nas próximas décadas, mas acha que a importância do livro em relação a outras formas de comunicar vai ficar diminuída. “Os livros que sobreviverem terão tendência a ser mais pequenos, mais fáceis de ler com o Kindle ou com outros dispositivos como o iPad. Estou preocupado com o futuro de clássicos, como ‘Guerra e Paz’, de Tolstoi. Não vejo as pessoas a pegar num Kindle para ler um livro com mil páginas…”

Lembra que as formas de leitura estão a mudar. No início do mundo moderno as pessoas podiam ler em velocidades diferentes consoante os propósitos. “A geração de crianças que hoje aprende a ler no ecrã será muito boa a ler rapidamente um texto e a saltar de um tema para outro, tal como a nossa geração fez e ainda o faz quando lê o jornal, saltando de um título de uma página para outro. A nossa geração sabe como ler lentamente. Tenho medo que as gerações futuras percam essa capacidade para ler devagar. Se isso se perder, a leitura lenta, será uma pena, pois, tal como a cozinha lenta, é muito importante para a civilização”, acrescenta Peter Burke.

Futuro empolgante

Robert Darnton está prestes a publicar um livro escrito em francês, que estará disponível “on-line” e terá sons. É uma investigação histórica sobre a forma como as canções de rua funcionavam em Paris, no século XVIII, como os jornais de hoje, e até derrubavam governos: uma explicação sobre como a comunicação oral era importante na mobilização da opinião pública. Por isso, o leitor do livro deste historiador vai poder ler o texto mas também ouvir as tais músicas. “Podemos ouvir a história, captar os sons da história de uma maneira que seria impensável antes da revolução digital. Do ponto de vista dos autores e académicos, o futuro da edição vai ser empolgante”, acredita.

O papão dos editores em relação ao digital tem sido aquilo que se viu acontecer na indústria musical por causa da pirataria, mas John Makinson, da tradicional editora britânica que ficou famosa por vender clássicos em livros de bolso que custavam o mesmo que um maço de tabaco, considera que há uma grande diferença entre o que se passou com a indústria musical (que viu as suas vendas caírem) e o que se passa na indústria livreira. Mackinson acredita que os consumidores não querem comprar álbuns inteiros, querem comprar determinadas faixas de músicas, e foi isso que Steve Jobs percebeu. Ao que se sabe, os leitores querem comprar livros inteiros e não determinado capítulo. Existe uma diferença de atitude também em relação à forma como coleccionamos música e livros. “Não é ‘cool’ ter 35 mil ‘e-books’ no nosso iPad, mas é ‘cool’ ter esse número de músicas no nosso iPod. Para já, a pirataria de livros digitais ainda não comprometeu a indústria editorial e penso que isso não vai acontecer nos próximos tempos.”

Este ex-jornalista, licenciado em História e Inglês pela Universidade de Cambridge, considera que as potencialidades digitais são um desafio para os editores. No futuro, o papel do editor vai sair reforçado de diversas formas, mas precisam de saber ouvir os consumidores para os ajudarem a aumentar a experiência de leitura. “Claro que ainda terão que se desenvolver as ferramentas”, diz, mas ao criar-se um livro para ser lido com um aplicativo no iPad pode juntar-se-lhe um vídeo ou outro qualquer elemento multimédia. “Pode fazer-se com que o consumidor pague mais dois dólares do que pagaria se o livro só tivesse texto”, explica.

Os editores vão ter que ser mais experimentais em termos de conteúdo e há a forte possibilidade de no futuro os guias de viagens e os livros de referência virem a ser vendidos segmentados ou por subscrição. É certo que a venda de livros físicos vai diminuir e que as livrarias vão ter que melhorar o seu serviço de atendimento aos leitores (só assim conseguirão manter clientes). As livrarias independentes, que tradicionalmente conhecem melhor os seus clientes, serão aquelas que estarão mais preparadas para responder à pergunta que lhes vai interessar: “Qual o livro que devemos ler a seguir?” Vamos à livraria pagar mais caro para ter um serviço personalizado tal como hoje vamos a uma loja Gourmet e pagamos mais por um queijo do que pagaríamos num qualquer supermercado, mas sabemos que aquele queijo é melhor, explica o CEO da Penguin.

Pesadelo e o que fica obsoleto

Por saber que o futuro é digital, o director da Biblioteca da Universidade de Harvard tem pesadelos. Livros impressos com 500 anos podem ser lidos ainda hoje, mas as tecnologias (os sistemas de programação de dados, de digitalização e de leitura) tornam-se obsoletas com o passar do tempo, em média duram dez anos. O acesso a toda a informação digitalizada poderá vir a ser impossível no futuro, ou, para que isso não aconteça, vamos ter que pagar a quem detém os direitos do “software” e poderemos ficar dependentes da sobrevivência das empresas que o fabricam. Veja-se o que aconteceu quando se acreditou que o microfilme era um substituto adequado para o papel e, para pouparem espaço bibliotecário, livraram-se de colecções inteiras de jornais e revistas, confiando na microfilmagem.

“O pesadelo é o desaparecimento dos livros digitais, porque a maioria dos textos que escrevemos hoje nasceram já digitais. Vivemos num mundo em que a digitalização é dominante, mas ainda ninguém resolveu o problema tecnológico da preservação dos textos em formato digital. O ‘software’ torna-se obsoleto, o ‘hardware’ fica obsoleto.”

Robert Darnton acompanhou de perto as negociações do Google para a digitalização dos acervos das bibliotecas de todo o mundo. Quando lhe perguntam se podemos sonhar com uma grande biblioteca universal num futuro próximo e quais são os riscos de ela estar nas mãos de uma empresa privada, faz um aviso prévio: admira o Google, considera que estão a inventar novas maneiras de processar informação e de a cruzar, mas vê-o também como um grande risco.

O Google já digitalizou cerca de 2 milhões de livros em domínio público, que estão disponíveis gratuitamente. “O Google recebe lucros através de publicidade, mas fá-lo discretamente. O que me preocupa é a comercialização daquilo a que eu chamaria o nosso património cultural. No caso de Harvard, temos cerca de 40 milhões de livros, é uma biblioteca gigantesca, e o Google vem ter connosco e diz: ‘Nós digitalizamos a vossa biblioteca de graça, mas, em troca, queremos vender as cópias digitais.’ Acho que isto é inaceitável, digitalizarem os nossos livros abrangidos por direitos de autor e depois cobrarem-nos para lermos esses livros em formato digital, numa base de dados, ao lado de outros livros digitalizados de outras bibliotecas excelentes.”

Robert, que passou parte considerável dos seus dois primeiros anos em Harvard a lidar com advogados e a esforçar-se por compreender as implicações do acordo com o Google, acredita que a empresa está a criar o maior monopólio que alguma vez existiu e que se trata de um monopólio de um novo tipo: de acesso à informação.

Read more at www.ciberescritas.com